Saudade é o corpo ardente que sente calafrios por quem não veio, e que permanece vazio ao mesmo tempo em que cheio...

Paulo Cesar Coelho

A mulher é a poesia que todo poeta sonha fazer.

Áudios

Se lembra?
Data: 22/09/2013
Créditos:
Se lembra?

Autores: Paulo César Coelho e Germano Ribeiro
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


                                           SE LEMBRA?
 
 
Poeta, revirando
O tempo
Achei velho retrato
 
Imagens,
Turvas do passado
Nem lhe reconheci
 
Eu lembro, àquele
Tempo a gente
Tinha feito um trato
 
Que o que valia
Mesmo a pena
Era se divertir
 
Se lembra
A gente ouvia,
O som do
 Rock and Roll
 
Pensava
Que podia um dia,
Quem sabe (até virar)
Ser cantor (cantor)
 
Achava
De contar façanhas,
Coisas e lorotas
 
Tirava na batida,
O novo
Som do violão
 
Rosinha, o amor
Secreto em
Versos e prosas
 
Meu triste e pobre
Coração
Que nunca mais
Foi meu ...
 
Se lembra
A gente achava graça,
De qualquer coisa
 Que contava ...
 
Das tantas noites,
De sereno,
Minha pequena
Santa Clara
 
 
 
Sentava no
Meio da rua
Prá assistir Tarzan
 
Rosinha,
Estrela do meu filme,
Sem olhar pra mim
 
No peito o coração
Batia assim
Como um Tam Tam
 
O céu,
Imensa testemunha
De um amor sem fim
 
O rádio
Ensinava a gente,
Que tudo era
“Let it be ...”
 
A loja da Mandinga,
Trouxe,
Minha primeira
Calça Lee ...
 
O grito alto
Da barcaça
Anunciava o dia
 
Lembrava a hora,
Da escola
Contra o meu querer
 
Se a gente tinha,
 O mundo todo
Pra brincar de vida
 
Então se
Perguntava sempre :
Estudar
Prá que ?
 
Se lembra
As festas na pracinha,
Emolduradas
Por jasmins
  
Das danças livres
De quadrilha,
Que nunca, nunca ...
Tinham fim
 
 
Domingo,
Nas manhãs de mar
A gente se fartava
 
Depois, os jogos
De peladas,
Lá no Vianense
 
Nas belas tardes,
Quando o sol
Enfim ... se espreguiçava
 
A lua,
Despertava o sono,
Ia brincar com a gente
 
Se lembra
A moda mini saia,
Que escondia
O que fingia (podia)
 
Do jeito livre
Que beijava,(flertava)
A bela irmã
De Ana Maria
 
Poeta, olhando
A foto antiga
No velho papel
 
Na dor,
O sentimento certo
De uma vida inteira

Se eu tinha ali,
O paraíso,
A linha e o carretel
 
Por que
Fui me privar de ti,
Ó meu amor
Ponta d’areia ?
 
Eu fui
Sem ter que ir,
Peço ... perdoa
A traição
 
Hoje não sei
Voltar prá ti
Meu dom ... amor,
Meu coração
 
 
Enviado por paulo cesar coelho em 22/09/2013

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Todos os textos estão protegidos por Lei. Caso precise usá-los, para fins didáticos educativos, por favor, faça contato: paulopoetacoelho@bol.com.br Sites: www.pcoelho.prosaeverso.net www.luso-poemas.net/modules/news/index.php?uid=1012