Saudade é o corpo ardente que sente calafrios por quem não veio, e que permanece vazio ao mesmo tempo em que cheio...

Paulo Cesar Coelho

A mulher é a poesia que todo poeta sonha fazer.

Áudios

PIRIGUETE
Data: 07/10/2013
Créditos:
Autores:
Paulo César Coelho
Germano Ribeiro
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


 Vou dizer pra você,
O que pra ninguém eu digo,
To olhando diferente
Pra nega do meu amigo...
 
Vou dizer pra você
O que pra ninguém eu digo,
To olhando de outro jeito
Pra nega do meu amigo
 
Ela nem disfarçava
Me olhava no canto
De cima embaixo
 
E quando a gente dançava,
Meu Deus, eu jamais
Acertava o passo
 
Me apertava, Me arranhava,
Dançava, abraçada
Grudada ao peito,
 
E quando a dança parava
Me olhava sem graça
Arrumando o cabelo
 
Me apertava, se esfregava,
Dançava, abraçada
Grudada ao peito,
 
E quando enfim
Se cansava,
Dizia ser dona
De muito respeito
 
Enviado por paulo cesar coelho em 07/10/2013

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Todos os textos estão protegidos por Lei. Caso precise usá-los, para fins didáticos educativos, por favor, faça contato: paulopoetacoelho@bol.com.br Sites: www.pcoelho.prosaeverso.net www.luso-poemas.net/modules/news/index.php?uid=1012